h1

Barco de papel

06/10/2008

Pegou na folha de papel. Deu-lhe a forma de um barco.

Deu-lhe a ilusão de novas e perfeitas trajectórias. O clarão dos sonhos rente a uma desejada realidade. Noites onde o amor se afoga na febre dos corpos. Na textura das almas. Madrugadas sem charcos de sombra. E o simulacro de pousar no beiral da eternidade.

Deu-lhe medos. Minúsculas verdades. A angústia da posse fracassada. A incerteza cruzando-se com a tristeza nos semáforos dos dias. Um tempo que se infiltra de súbito silêncio. E a dor da mentira.

Tudo isto deu ao barco de papel. Apenas se esqueceu de lhe dar uma bússola de asas abertas com que o barco pudesse navegar virado para a vida.

Na oscilação volátil da luz, extenuado de espera suspensa sobre a dúvida, o frágil barco, ferido pela erosão do nada, deixou-se arrastar pela vertigem da corrente. E, tocado pelo gume das vagas, mergulhou, um a um, todos os seus sonhos, no fundo do mar. Em mil pedacinhos de papel translúcido.

Pegou na folha de papel. Deu-lhe a forma de um barco. Ancorou nele o desalento e o cansaço de um coração.caminho

A.R.

.

“Sinto-me um barquinho, e a vida um mar terrível.”caminho

João Guimarães Rosa

shell-32x32.

Que a vida me leve para qualquer canto que seja onde não haja dor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: